Amor platônico: quem já não teve um na vida?

Amor platônico: quem já não teve um na vida?
4.7 (93.33%) 3 vote[s]

O que é o amor platônico? O amor possui vários tipos de interpretações.

Como é um sentimento e provém do “sentir”, sua conceituação só poderia ser mesmo interpretativa. Claro, gramaticalmente falando, a palavra amor possui o seu significado.

Porém, este significado não exprime, com precisão, o que realmente representa o sentir amor, amor por uma cara metade, amor pelo filho, amor de pai e mãe.

E quando falamos então do amor platônico?

Muitas pessoas até sabem o que significa “amor platônico”, mas desconhecem totalmente a origem do nome e desconhecem mais ainda como lidar com este tipo de amor.

E afinal, ele é um “amor à distância” ou um “amor não correspondido”? Vamos descobrir tudo sobre o amor platônico?

Como surgiu a palavra Amor Platônico e qual o seu significado

Você pode até estar se perguntando neste momento: se estamos falando de amor platônico, o que a foto de uma escultura está fazendo aqui?

Quem é o cara da escultura e o que ele tem a ver com o assunto?

amor platônico

Ou, por outro lado, você até saiba “quem é o cara”.

Seja como for, o “cara” da escultura é nada mais nada menos do que Platão, um grande filósofo e matemático que viveu na Grécia Antiga, mais precisamente em Atenas, no período de 427/347 a.C.

O nome “amor platônico” surgiu exatamente do termo “platonicus”, referindo-se, claro, à uma teoria “do cara”, de Platão.

A teoria em si fala de um mundo das ideias, onde tudo é perfeito enquanto no mundo real tudo é mera cópia, e uma cópia imperfeita do das ideias.

Assim, segundo Platão, o amor platônico refere-se a algo que seja totalmente perfeito e inabalável, mas que, no entanto, não existe no mundo real, apenas no mundo das ideias e dos sentimentos. Simples assim.

Uma matéria superinteressante, do site brasilescola.uol.com, fala sobre o amor platônico em um âmbito mais filosófico da coisa. Confira.

Afinal, o que é Amor Platônico?

Ao pé da letra, amor platônico é sim um amor não correspondido, chegando a ser, inclusive, um amor impossível.

Talvez por isso, segundo Platão, seja um amor considerado perfeito e inabalável.

Só que neste amor, apenas uma pessoa está envolvida. A outra, muitas vezes, nem sabe que é amada.

E amor platônico é diferente de amor à distância, pois, neste caso, há a contrapartida, ou seja, a outra pessoa sabe que é amada e pode corresponder a este amor.

Só que existe um tipo de amor a distância que ambas as partes amam, mas não se correspondem, talvez por medo do relacionamento ou de se machucarem.

Este tipo de amor pode ser conceituado também como amor platônico. É mais raro, mas existe.

Apesar de tantos conceitos a respeito do amor platônico e de termos uma definição mínima em nossas mentes do seu significado, ele ainda é um mistério.

O termo em si é usado e estudado desde o século XV, ou seja, já se vão 600 anos convivendo com amores platônicos.

Para concluir o assunto sobre o seu real significado e tentar entender um pouquinho do amor platônico, podemos defini-lo como um amor “sem aproximação” física ou mal correspondido.

Se a outra parte sabe deste amor ou não, só será amor platônico se não houver qualquer contato físico, sexual, carnal, etc., onde, se houver qualquer tipo de correspondência, não poderá ser considerado amor platônico.

No gnt.globo.com, na página do Bem Estar, você encontra uma reportagem falando sobre o amor platônico. Vale a pena conferir.

Amo, mas não sou correspondido…

Não é bem assim que funciona.

Para se considerar um amor platônico, além da não correspondência da outra parte, há também uma supervalorização daquela pessoa, como se ela fosse alguém perfeita, incrivelmente perfeita.

Outro ponto é que você não consegue parar de pensar nela e é igualmente incapaz de observar qualquer defeito na outra pessoa.

Também é amor platônico caso você ame uma pessoa a qual nunca nem tenha conversado.

Para determinar uma “não correspondência” do seu amor, você precisa necessariamente ter dito a ela que você a ama, em algum momento.

Se você nunca disse e a ama do mesmo jeito, ou seja, a pessoa desconhece este seu amor e as vezes até desconhece que você exista, então, é sim amor platônico.

E se você venceu o amor platônico, pode ter agora certo receio de perder o seu grande amor.

Acompanhe esta matéria ejaculandocomcontrole.com  que fala mais a respeito e o que pode ser feito para vencer este medo.

Todo amor platônico envolve sofrimento

Também não é bem assim.

O sofrimento associado ao amor platônico provavelmente foi instituindo em tempos idos dos grandes e apaixonados poetas de outrora, onde o “sofrer” por amor era visto como uma coisa sublime, admirável e romântica.

Nos dias de hoje, este tipo de situação é um pouco inimaginável, não é mesmo?

Por outro lado, temos que considerar que um amor platônico tem certo sofrimento sim, principalmente nos casos da não correspondência.

Mas ninguém fica por muito tempo alimentando sofrimento, ou um amor platônico. Ele vem e com o tempo se vai.

Pode até demorar um pouco, principalmente se você convive com a pessoa amada.

Se o amor platônico for daqueles que você nem “chegou junto”.

Portanto, muito provavelmente não haverá qualquer sofrimento, afinal, você admira tanto àquela mulher, a acha tão perfeita, linda, maravilhosa que nem consegue falar isto pra ela e toda esta admiração só pode trazer prazer, claro, nada de sofrimento.

Se você está sofrendo com isso, então, será necessário tratar isto. (Falaremos sobre tratamentos do amor platônico mais adiante).

Um tipo de namoro que fica entre o amor platônico e o amor presente é o namoro a distância.

Será que vale a pena este tipo de namoro? Confira se sim ou não na matéria  machoemserie.com.

Tenho como me esquivar desse sentimento?

O amor platônico é mais comum de ocorrer em pessoas que não conseguem nem se aproximar da pessoa amada.

O não correspondido é mais difícil de acontecer pois, assim que você recebe um “NÃO” daqueles, nem sempre vai conseguir ficar adorando ainda a pessoa.

Pode acontecer, mas é bem mais difícil.

Por insegurança, medo, etc., quem ama não consegue se aproximar da pessoa amada, caracterizando um amor platônico convencional.

Desta forma, uma maneira de fugir deste amor irreal é enfrentando seus medos, sua insegurança, é chegar junto dela e dizer logo o que sente.

Claro, você pode convidá-la para jantar e tudo o mais, o que não pode é ficar guardando este sentimento só pra você.

Se a mulher amada nem te conhece, então seu primeiro passo será se aproximar dela.

Neste caso, vá com o pé um pouco no freio, para não assustá-la, ou ela vai te chamar de tarado.

Como a base desse tipo de amor é também aquele amor impossível, assim que você tenta conhecer e se declarar à pessoa amada, você transfere este amor perfeito do mundo das ideias para o amor real, do mundo real.

Não consigo me declarar. Como me livrar deste amor platônico?

Neste caso, a coisa começa a ficar mais séria.

Toda forma de amor é válida e, diga-se de passagem, é uma maravilha amar. No entanto, o amor precisa trazer mais prazer, mais felicidade do que sofrimento, tristeza.

Se for ao contrário, não vale, não funciona bem. Um amor platônico tem, como já dito, um certo grau de sofrimento.

Tudo bem, isto é normal em qualquer amor, pois você quando ama recebe uma infinidade de sensações, físicas e psicológicas.

Sente com mais intensidade, seus hormônios afloram e tudo se transforma.

Mas o sofrimento também está incluso no amor: ansiedade, medo, angustia, entre outros, surgem do nada, mas passam assim que você tem a conclusão do fato: o “SIM” ou o “NÃO”.

Você até pode receber um “não” e ficar sofrendo um pouquinho, mas o normal é virar logo a página e seguir adiante.

Armadilhas do Amor Impossível

Um amor platônico que gere sofrimento por muito tempo, não é bom.

Assim, para escapar das armadilhas de um amor impossível, que você não consiga se declarar ou mesmo tenha recebido um não e ainda continua pensando nela, vamos lhe dar algumas dicas úteis. Confira:

  • Pare de pensar nela um pouco.
  • Procure se entreter, sair com amigos, com “amigas” principalmente;
  • Procure defeitos nela. Eu sei, vai ser difícil encontrar, afinal, você tem um amor platônico por ela.
  • Mas lembre-se então da premissa básica de que não existe perfeição e, então, ela deve ter algum defeito sim.

Desde modo, assim que encontrar o defeito, por menor que seja, foque nele. Aos poucos, você irá encontrar outros, pode acreditar.

  • Se você não consegue se declarar, dê pistas, escreva um bilhete, mande uma mensagem de celular, etc.
  • Comunique-se com ela de uma forma meio que “escondida”, em um “segundo plano”.

Isto porque, se você conseguir fazer com que ela saiba dos seus sentimentos, vai ser um alívio imediato, mesmo que você não seja correspondido.

  • Coloque uma coisa na cabeça: não vale a pena ficar sofrendo por um amor. Isto vai te corroer internamente.
  • Trabalhe para sair deste sentimento: declare-se logo, esqueça dela, procure distrações, foque no trabalho e/ou faça qualquer coisa que lhe tire desta situação.

Os tratamentos para o desejo compulsivo por alguém

Um amor platônico não é uma doença.

No entanto, em certos níveis, pode trazer transtornos psicológicos, depressão, falta de autoestima, afastamento social, entre outros problemas.

Há também a chamada “erotomania”, que está ligada ao amor platônico de certa forma, mas é uma doença psicológica.

Acontece geralmente quando a pessoa se apaixona por um astro, um artista, etc., e, claro, não é correspondido.

É um amor secreto, velado e o pior dos piores é que esta pessoa acredita que exista correspondência e, a partir daí, identifica-se a doença, sendo necessários tratamentos psiquiátricos e psicológicos, dependendo do caso.

Só que no caso da erotomania, há um evidente transtorno mental, um delírio impossível de acontecer, ou de estar acontecendo.

No amor platônico pura e simplesmente, não existe esta situação delirante.

Mas quando começa a lhe trazer certos problemas em sua vida pessoal, talvez seja a hora de procurar ajuda.

Esta ajuda, dependendo do grau dos problemas que você está tendo, pode ser tranquilamente um psicólogo.

Este profissional vai lhe ajudar a se encontrar, vai seguir junto com você os caminhos para se esquecer dela.

Isto porque enquanto você estiver afundando nesse tipo de amor, outros amores podem estar passando por você e não estão sendo notados. Já pensou nisso?

Em casos mais graves, depressivos e que estejam afetando a sua vida de alguma maneira, seja familiar, no trabalho, estudos, etc., pode ser necessária a ajuda também de um psiquiatra.

Mas a princípio, o profissional recomendado é mesmo um psicólogo.

A psicóloga Catarina Mexia, no site oficinadepsicologia.blogs, fala mais sobre o assunto do amor platônico.

É um conteúdo bem instrutivo.

Dicas e interpretações importantes sobre o amor platônico

Pinceladas desse sentimento podem ocorrer a qualquer momento e com qualquer um.

Não existem vacinas contra isto, mas existem algumas ações simples que fazem com que você possa lidar com seus próprios sentimentos de uma forma mais branda, menos impactante. Confira:

  • Admiração

Admirar muito uma pessoa, seja no trabalho, na faculdade ou mesmo alguém que você já conhece desde a infância ou adolescência, pode vir a virar um amor platônico no futuro.

Para que isto não venha a acontecer, lide com mais rigor com esta “admiração”, entenda-a melhor e se houver confusão em seus sentimentos, para de confundi-los.

Admirar é uma forma de amor, como amizade também é. Mas esse tipo de amor tem outro sentido, outra configuração bem diferente.

  • Saia do mundo irreal:

Esse sentimento, faz parte de um mundo irreal, um conto de fadas, talvez. Você não pode viver neste mundo, mesmo porque, ele só existe no sonho.

Esse tipo de amor tem este poder, de te levar momentaneamente para um conto de fadas, algo impossível, irreal.

Não permita que isto aconteça. Quando sentir o primeiro sinal de que sofre desse mal, não o alimente e tente tomar uma atitude o mais rápido.

  • Amor platônico e desejo sexual são diferentes:

Novamente, não vamos confundir as coisas. Você acha sua colega de trabalho uma gata, super gostosa e morre de vontade de transar com ela.

Fica pensando nisso o dia todo e a noite também, mas por medo de receber o terrível “NÃO”, acaba não se declarando. Mas acha o corpo dela perfeito, pernas, seios, etc., tudo no lugar.

Mas atenção: isto nada tem a ver com o que estamos discutindo nesse artigo.

É pura e simplesmente um desejo sexual, talvez até um tanto exagerado e incontrolável, mas não é amor platônico.

  • Enfrente seus medos:

Não só no caso do amor platônico, mas em toda e qualquer situação, enfrentar seus medos só irá lhe trazer benefícios.

Mantê-los ou alimentá-los só lhe atrasará a vida. Fique atento.

Leandro Karnal fala, no vídeo abaixo, sobre o que é o amor platônico e sobre as diversas formas de amar. Super legal, dá uma olhadinha.

E se você gostou mesmo deste artigo, aproveita e compartilha com mais alguém. Ele o ela pode gostar também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *