Como a ciência pode ajudar o macho no primeiro encontro?

Você já deve ter visto ou ouvido que “o amor não é uma ciência exata”, ele simplesmente acontece e é repleto de imprevistos e incertezas. Contudo, ciência e tecnologia avançam em prol dos relacionamentos e cada vez mais podem ajudar casais em encontros e relacionamentos.

Para facilitar sua vida, neste post vamos dar algumas dicas, comprovadas cientificamente, que vão te ajudar a causar uma primeira impressão perfeita, tornando o seu primeiro encontro impecável. Confira:

Bom papo

Uma boa conversa é fundamental em qualquer encontro, principalmente no primeiro. Porém, existem diversos tipos de conversas — desde um interrogatório policial até perguntas mais ousadas e intimistas— que podem causar reações diferentes e determinar o rumo da noite.

Um estudo publicado na revista da Sociedade Internacional para Estudo das Diferenças Individuais (ISSID) recomenda fazer perguntas mais ousadas à parceira, que saiam da mesmice e a tirem de sua zona de conforto, para que ela se abra um pouco mais e crie certa intimidade. Mas é claro, tudo isto deve ser feito de maneira leve e sutil para não assustar a gata.

Ainda segunda a publicação, questionamentos clássicos, de perguntas básicas, surtem pouco ou nenhum efeito na mulherada, que espera por algo perspicaz e alguém que “pense fora da caixa”.

Linhas de abertura

Uma pesquisa realizada pela revista Sex Roles dá ainda mais fundamento ao tópico acima. As mulheres realmente curtem perguntas diferenciadas e inteligentes, mas não sentem-se nem um pouco atraídas por indagações irreverentes e sem graça. Portanto, cuidado com gracinhas e piadinhas bestas para quebrar o gelo do primeiro encontro. Nessas horas opte por perguntas inócuas, mas que deem a possibilidade para expansão do assunto.

Olhos nos olhos, com sutileza

Olhar nos olhos da gata durante a conversa sempre foi uma das receitas para o sucesso. Porém, pesquisas afirmam que esse contato visual deve ser feito de maneira sutil e amigável, entre 7 e 10 segundos, apenas para transmitir atitude, confiança, interesse e causar uma boa impressão. O olhar fixo por mais tempo que o necessário pode passar a sensação de agressividade, dominação forçada e até confronto. Por isso, não exagere!

Mimetismo

Em relacionamos com algum tempo de duração é quase inevitável copiar trejeitos, gestos, maneirismos ou expressões da pessoa com quem se relaciona. Isso pode acontecer com qualquer uma das partes. E é excelente, sabia?

De acordo com os estudiosos, esse mimetismo — imitação, em grego — inconsciente é um sinal claro de afeto e intimidade. Praticamente um elogio ao outro, pois demonstra admiração, atração e conforto por estar ali e com você.

Doce amor

Uma pesquisa da Universidade de Purdue, nos EUA, descobriu que as mulheres tornam-se mais propensas ao romantismo e abertas a intimidades após a ingestão de açúcar, pois o cérebro associa sensações doces ao amor, carinho e afeto. Nunca um pedaço de bolo, de chocolate ou um brigadeiro teve tanta importância para nós homens, não é mesmo?

Adrenalina aumenta atração

Essa vem lá da Universidade de McHendree, também nos Estados Unidos. De acordo com um estudo realizado por eles, a adrenalina funciona como um combustível para aumentar a atração e a excitação entre homens e mulheres.

E isso foi descoberto após submeterem um grupo de pessoas a atividades físicas. Após a realização de 15 minutos de exercícios, a atração entre os participantes aumentou. Portanto, nada melhor do que uma partida de futebol com os amigos ou uma corridinha na praia antes de cair na balada ou sair com aquela gata.

Direção dos pés

Os pés são as partes de nosso corpo mais afastadas do cérebro e, por isso, temos pouco controle consciente sobre eles. Assim, eles servem como ótimos indicadores de atração e interesse. Independente da postura ou da linguagem corporal do outro, a direção em que os pés apontam indicam para onde queremos ir. Se os pés da gata estão voltados para você, jogo ganho, meu amigo! Caso contrário, a porta é a saída.

Tipos de toques

A revista Social Influence publicou em 2007 um estudo sobre os três tipos de toques que podem ocorrer durante um encontro e o que eles significam. O primeiro foi classificado como “amigável” e lista gestos como apertos de mão e toques delicados no ombro. O segundo, “negação plausível”, inclui toques ao redor da cintura e do antebraço. Por fim, o mais intimista é o “nuclear” que abrange toques no rosto. Caso você ou ela entrem em uma área entre “negação plausível” e “nuclear”, meus parabéns, você está no caminho certo!

A ciência está aí para nós ajudar e até mesmo para nos ensinar alguns truques para melhorarmos nossas relações pessoais e conquistas, inclusive românticas. Siga nossas dicas e seja feliz. Até a próxima!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *